The
deluxe
room

Boémios e elegantes, nestes quartos há sempre música, e enquanto Lisboa fervilha lá fora, o espectáculo acontece aqui.

Como num cabaret, os brilhos e as luzes dão o mote para noites que não se esquecem. A corista deixa-se desvendar, e entre o bar e o palco a música não pára.

À TUA ESPERA NO QUARTO

Máquina
de café
Nespresso

Coluna
Marshall

Rainshower

LCD Smart
TV

Peq.-alm.
buffet
Incluído

ÁREAS ENTRE
15M2 E 22M2

Cama
de casal
1,80 m

Mais facilidades

Lady Maxime

A ALMA É O SEGREDO DO NEGÓCIO

Uma grande amiga disse-me uma vez: “ Se não houver segredos, não há moeda de troca”… mas é difícil neste mundo não ter segredos. A cortina esconde mais do que aparenta. Todos nós temos uma história e escolhi-te como confidente para contar a minha.

O meu nome é Lady Maxime, não é o meu nome de baptismo mas é o nome que me define, não poderia ser de outra forma.

Cresci nas ruas do Bairro Alto, onde vivia com a minha avó e a minha tia. A avó Antónia era camareira em vários hotéis em Lisboa e pouco era o tempo em que não estava a trabalhar. A minha tia, 8 anos mais velha, era aspirante a artista e actuava em várias clubes como bailarina e alternadeira. Era uma sonhadora que nunca singrou, teve muitos desamores sendo o último o derradeiro que a levou a pôr fim à vida.

Nunca me apaixonei mas sou única na arte de sedução. Há quem diga que sou ardilosa porque movo influências como ninguém. Não me ofendo, faz parte do negócio.

Trabalho desde tenra idade. Entrei para o Maxime Hotel como camareira pela mão da minha avó e lá me fiz mulher. Nunca tive a beleza das artistas de capa de revista, mas sempre tive a atitude e presença certas que ainda hoje atraem todos os olhares quando entro numa sala.

Foi assim que despertei a atenção do dono do Hotel, pessoa muito influente na sociedade da época. Sabendo que eu era apaixonada pelo espectáculo e pelas artes, ofereceu-me a gerência do restaurante para me agradar e assim comprar o meu apreço.

Lamentavelmente, o meu querido morreu em circunstâncias duvidosas e deixou-me todo o seu legado, um escândalo que só veio aumentar a minha popularidade. Assumi então a gerência do Hotel e restaurante…e fiz do Maxime o que é hoje.

Uma grande amiga disse-me uma vez: “ Se não houver segredos, não há moeda de troca”… mas é difícil neste mundo não ter segredos. A cortina esconde mais do que aparenta. Todos nós temos uma história e escolhi-te como confidente para contar a minha.

O meu nome é Lady Maxime, não é o meu nome de baptismo mas é o nome que me define, não poderia ser de outra forma.

Cresci nas ruas do Bairro Alto, onde vivia com a minha avó e a minha tia. A avó Antónia era camareira em vários hotéis em Lisboa e pouco era o tempo em que não estava a trabalhar. A minha tia, 8 anos mais velha, era aspirante a artista e actuava em várias clubes como bailarina e alternadeira. Era uma sonhadora que nunca singrou, teve muitos desamores sendo o último o derradeiro que a levou a pôr fim à vida.

Nunca me apaixonei mas sou única na arte de sedução. Há quem diga que sou ardilosa porque movo influências como ninguém. Não me ofendo, faz parte do negócio.

Trabalho desde tenra idade. Entrei para o Maxime Hotel como camareira pela mão da minha avó e lá me fiz mulher. Nunca tive a beleza das artistas de capa de revista, mas sempre tive a atitude e presença certas que ainda hoje atraem todos os olhares quando entro numa sala.

Foi assim que despertei a atenção do dono do Hotel, pessoa muito influente na sociedade da época. Sabendo que eu era apaixonada pelo espectáculo e pelas artes, ofereceu-me a gerência do restaurante para me agradar e assim comprar o meu apreço.

Lamentavelmente, o meu querido morreu em circunstâncias duvidosas e deixou-me todo o seu legado, um escândalo que só veio aumentar a minha popularidade. Assumi então a gerência do Hotel e restaurante…e fiz do Maxime o que é hoje.