The
burlesque
room

Neste quarto sobre Lisboa, os ritmos do cabaret vivem em cada detalhe.

Feminino e sensual, convida à tentação. As plumas não desvendam a história que só quem lá fica poderá descobrir. Num ambiente assumidamente burlesco, os veludos são anfitriões dos sentidos e os dourados uma celebração da beleza.

À TUA ESPERA NO QUARTO

Vip
Exclusivo

Máquina
de café
Nespresso

Coluna
Marshall

Rainshower

LCD Smart
TV

Peq.-alm.
Buffet
Incluído

Roupão
E chinelos

Área de
25m2

Cama
de casal
1,80 m

Mais facilidades

Simone

O SEGREDO POR DETRÁS DAS PLUMAS

O jeito e semblante parisienses… eram traídos pelo olhar romântico e saudosista tão português. Filha de pais emigrantes, cresceu ao ritmo dos cabarets parisienses mas com a “revista” no sangue. A sua mãe, que fez carreira como corista no Parque Mayer, mudou-se para França após casar e os cabarets foram, assim, a segunda casa de Simone.

Como “filha de corista sabe actuar” Simone seguiu os passos da sua mãe.

Perdeu os pais ainda jovem e, sem família que a prendesse a França, veio para Lisboa onde ainda tinha uma avó. Numa das suas entregas, a avó Maria, costureira de artistas e gentes do espectáculo, confidenciou-me que a sua neta Simone – famosa corista em Paris -vinha viver para Lisboa. Ainda me lembro: “ Ai dona Lady, tão boa mocinha e já viu? Perdeu os pais… Valha-me Santo António! Vida madrasta!” (tenho saudades da avó Maria). Enfim… quis conhecer Simone e depressa me apaixonei pelo seu olhar terno e romântico, pela sua forma sensual de dançar e pela sua fatídica história… lembro-me de lhe dizer: ”Minha querida Simone, tu ficas! E vais destroçar muitos corações”. Estava certa.

O jeito e semblante parisienses… eram traídos pelo olhar romântico e saudosista tão português. Filha de pais emigrantes, cresceu ao ritmo dos cabarets parisienses mas com a “revista” no sangue. A sua mãe, que fez carreira como corista no Parque Mayer, mudou-se para França após casar e os cabarets foram, assim, a segunda casa de Simone.

Como “filha de corista sabe actuar” Simone seguiu os passos da sua mãe.

Perdeu os pais ainda jovem e, sem família que a prendesse a França, veio para Lisboa onde ainda tinha uma avó. Numa das suas entregas, a avó Maria, costureira de artistas e gentes do espectáculo, confidenciou-me que a sua neta Simone – famosa corista em Paris -vinha viver para Lisboa. Ainda me lembro: “ Ai dona Lady, tão boa mocinha e já viu? Perdeu os pais… Valha-me Santo António! Vida madrasta!” (tenho saudades da avó Maria). Enfim… quis conhecer Simone e depressa me apaixonei pelo seu olhar terno e romântico, pela sua forma sensual de dançar e pela sua fatídica história… lembro-me de lhe dizer: ”Minha querida Simone, tu ficas! E vais destroçar muitos corações”. Estava certa.