The
bondage
room

Surrealista e bizarro, este quarto, desperta fantasias ocultas, com Lisboa à espreita.

Aqui, o fetichismo impera. O toque macio das peles contrasta com a dureza do ferro, criando um ambiente underground onde o mistério e a luxúria se fundem e o segredo faz parte da experiência.

À TUA ESPERA NO QUARTO

Vip
exclusivo

Máquina
de café
Nespresso

coluna
Marshall

Rainshower

LCD Smart
TV

Peq.-alm.
Buffet
Incluído

Roupão
e Chinelos

Área
de 25m2

Cama
de casal

Mais facilidades

La Fouet

UMA VIAGEM AO SURREALISMO BIZARRO

Nunca teve morada certa. Cidadã do mundo nasceu e cresceu no circo onde levou uma vida itinerante fundada no bizarro. Depressa aprendeu que o fetichismo faz parte da génese humana.

Os seus colegas e amigos foram desde a mulher barbuda ao espectacular homem de duas cabeças… mas Ruby tinha o talento inato de despertar as fantasias mais recônditas da sua audiência.

Numa digressão conheceu Jean de La Fouet, um viúvo francês da alta sociedade, por quem se apaixonou e por quem deixou a vida circense. Assíduo frequentador de lugares de reputação duvidosa, Jean de La Fouet é assaltado e assassinado num beco do Cais do Sodré deixando a Ruby apenas o nome.

Vivida e desembaraçada, correu teatros e cabarets na esperança de poder voltar a mostrar o seu talento, até que me conheceu e me ofereceu o espectáculo que faltava no Maxime.

Encontrou aqui uma nova casa. As suas actuações são uma viagem por diversas personagens, todas elas com uma forte vertente surrealista e bizarra. O seu guarda-roupa e cenários revelam o seu âmago fetichista, denunciado pelo nome e personalidade que, apaixonadamente, dá a cada um dos seus chicotes.

Nunca teve morada certa. Cidadã do mundo nasceu e cresceu no circo onde levou uma vida itinerante fundada no bizarro. Depressa aprendeu que o fetichismo faz parte da génese humana.

Os seus colegas e amigos foram desde a mulher barbuda ao espectacular homem de duas cabeças… mas Ruby tinha o talento inato de despertar as fantasias mais recônditas da sua audiência.

Numa digressão conheceu Jean de La Fouet, um viúvo francês da alta sociedade, por quem se apaixonou e por quem deixou a vida circense. Assíduo frequentador de lugares de reputação duvidosa, Jean de La Fouet é assaltado e assassinado num beco do Cais do Sodré deixando a Ruby apenas o nome.

Vivida e desembaraçada, correu teatros e cabarets na esperança de poder voltar a mostrar o seu talento, até que me conheceu e me ofereceu o espectáculo que faltava no Maxime.

Encontrou aqui uma nova casa. As suas actuações são uma viagem por diversas personagens, todas elas com uma forte vertente surrealista e bizarra. O seu guarda-roupa e cenários revelam o seu âmago fetichista, denunciado pelo nome e personalidade que, apaixonadamente, dá a cada um dos seus chicotes.